Agro News

16/10/2017

Brasil no índice de segurança alimentar

Brasil ocupa 38ª posição em índice de segurança alimentar

Irlanda ficou em primeiro lugar, sendo seguida pelos Estados Unidos e Reino Unido.



Em uma lista de 113 países, o Brasil se manteve na 38ª. posição na edição 2017 do Índice Global de Segurança Alimentar. Desenvolvido pelo Economist Intelligence Unit, braço de pesquisa do The Economist Group, o levantamento mede, anualmente, a capacidade de as nações alimentarem sua população, com base em quatro indicadores: acessibilidade ao alimento [poder de compra do consumidor], disponibilidade [oferta de produtos], qualidade e segurança e resiliência climática.



Os resultados foram apresentados pelo representante do The Economist Group no Brasil, Marcio Zanetti, nesta última terça-feira (26), em evento na cidade de São Paulo (SP). Segundo ele, entre os pontos fortes do Brasil, destacam-se volume e diversidade da produção agropecuária, recursos naturais, programas governamentais de compra de alimentos, entre outros. Por outro lado, o País tem desafios urgentes nas áreas de infraestrutura logística, carência de recursos para pesquisa e crédito agrícola, ficando, neste último item atrás até de Uruguai e Argentina.



De acordo com Zanetti, o Brasil não registrou uma avaliação satisfatória no tocante ao quesito resiliência climática, devido a não estar se preparando como deveria – devido à escassez de capital - para adaptar à produção agrícola às mudanças que serão provocadas pelo aquecimento global. O representante do The Economist Group alerta que culturas como café e soja no País poderão ser afetadas, com áreas produtivas sendo transferidas para outras regiões e até mesmo sendo extintas.



Outros países



A Irlanda ficou em primeiro lugar no Índice, impulsionada pela recuperação econômica do país, e investimento público elevado em pesquisa. EUA e Reino Unido, pela ordem, vieram a seguir no ranking. De maneira geral, Zanetti pontuou que, globalmente, os sistemas alimentares estão enfrentando pressão do alto preço dos insumos, alterações de padrão do consumo, mudanças climáticas e choque de preços.



 



Fonte: universoagro


Veja também